fbpx

Início

“Brasil é grande demais pra ser quintal”, analisa o economista Paulo Nogueira Batista

Antonio Biondi e Napoleão de Almeida

Brasil de Fato | São Paulo (SP),25 de Setembro de 2019 às 07:59

Abaixo, a entrevista:

Brasil de Fato: Professor, vamos começar falando sobre o livro.

Ler mais
Share Button

“Brasil é grande demais pra ser quintal”, analisa o economista Paulo Nogueira Batista

Seu novo livro narra os bastidores das disputas geopolíticas envolvendo os EUA e os Brics

Antonio Biondi e Napoleão de Almeida

Brasil de Fato | São Paulo (SP),25 de Setembro de 2019 às 07:59

O economista Paulo Nogueira Batista Jr. trabalhou 10 anos no FMI e nos Brics: “Governo Bolsonaro é um desastre” / Reprodução

“O Brasil, quando se assume como o grande país que é, não cabe no quintal de ninguém. É importante que o brasileiro saiba disso”, afirma o economista Paulo Batista Nogueira Júnior, em referência ao título do livro que ele lança nesta quarta-feira (25) em São Paulo, intitulado O Brasil não cabe no quintal de ninguém (Editora Leya, 448 páginas).

Ler mais
Share Button

O Brasil está atrasadíssimo no debate sobre a macroeconomia

Share Button

O Brasil não cabe no quintal de ninguém (2019, Leya)

O Brasil não cabe no quintal de ninguém, de Paulo Nogueira Batista Jr., é o relato dos bastidores da passagem de um economista brasileiro por duas instituições internacionais, o FMI (Fundo Monetário Internacional) e o banco de desenvolvimento criado pelos BRICS – o grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Durante mais de dez anos no exterior, ele participou da luta pela reforma da arquitetura financeira internacional após a crise de 2008 e enfrentou a resistência de representantes de países ricos. Antes disso, fez parte da equipe que negociou com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e os bancos credores em 1985-1987, durante o governo de José Sarney.

O lançamento do livro O Brasil não cabe no quintal de ninguém está previsto para final de setembro.

Share Button

Incautos da periferia

Não estamos diante de um acordo de livre-comércio

O economista Paulo Nogueira Batista Jr. – Reprodução/Programa Voz Ativa

Transcorreu de forma opaca a negociação entre União Europeia e Mercosul, concluída na semana passada. Ainda são muito incompletas as informações sobre diversas questões que costumam estar em jogo em acordos desse tipo. Como o acordo depende de aprovação parlamentar, é da maior importância que deputados e senadores peçam desde logo o seu envio ao Congresso e convoquem os negociadores para prestar contas em audiências públicas. 

Ler mais
Share Button

Trecho de entrevista à TV Cultura de Minas Gerais, 2018

Share Button

Conferência na Universidade Federal do ABC – O Brasil não cabe no quintal de ninguém

29/07/2019

Share Button

Breve comentário sobre o acordo União Europeia/Mercosul

01/07/2019

Breve comentário sobre o acordo União Europeia/Mercosul

Posted by Paulo Nogueira Batista Jr. on Monday, July 1, 2019
Share Button

O Brasil e a economia internacional: recuperação e defesa da autonomia nacional (2005, Elsevier)

Este livro procura contribuir para que o Brasil supere definitivamente os descaminhos e problemas herdados da década de 1990 e retome o seu desenvolvimento como nação independente. O livro trata das relações econômicas externas do Brasil e está dividido em duas partes. A primeira aborda a dimensão cambial e financeira do relacionamento externo da economia brasileira e temas correlatos. A segunda, as negociações comerciais do Brasil, em especial a mais difícil delas – a Alca.

Share Button

A economia como ela é … (3. ed. 2002, Boitempo)

O livro de Paulo Nogueira Batista Jr. traz um ousado e provocativo enfoque sobre temas que marcam a atualidade: economia brasileira, “globalização”, dependência e desnacionalização, tributação e finanças públicas, política cambial e dívida externa, personalidades da cena brasileira, o quadro econômico mundial, o Brasil e sua inserção internacional. Em geral, o autor destoa das opiniões dominantes sobre esses temas. Segue sempre o caminho da independência, não subordinando as suas avaliações às de correntes doutrinárias, acadêmicas ou partidárias. Prefere os riscos da polêmica e do combate no plano das ideias.

Share Button