fbpx

O Brasil e a economia internacional: recuperação e defesa da autonomia nacional (2005, Elsevier)

Este livro procura contribuir para que o Brasil supere definitivamente os descaminhos e problemas herdados da década de 1990 e retome o seu desenvolvimento como nação independente. O livro trata das relações econômicas externas do Brasil e está dividido em duas partes. A primeira aborda a dimensão cambial e financeira do relacionamento externo da economia brasileira e temas correlatos. A segunda, as negociações comerciais do Brasil, em especial a mais difícil delas – a Alca.

Share Button

A economia como ela é … (3. ed. 2002, Boitempo)

O livro de Paulo Nogueira Batista Jr. traz um ousado e provocativo enfoque sobre temas que marcam a atualidade: economia brasileira, “globalização”, dependência e desnacionalização, tributação e finanças públicas, política cambial e dívida externa, personalidades da cena brasileira, o quadro econômico mundial, o Brasil e sua inserção internacional. Em geral, o autor destoa das opiniões dominantes sobre esses temas. Segue sempre o caminho da independência, não subordinando as suas avaliações às de correntes doutrinárias, acadêmicas ou partidárias. Prefere os riscos da polêmica e do combate no plano das ideias.

Share Button

Da crise internacional à moratória brasileira (1988, Paz e Terra)

Da crise internacional à moratória brasileira, de Paulo Nogueira Batista Jr., constitui a primeira análise detalhada de um dos episódios mais controvertidos da história econômica recente do Brasil: a moratória de 1987.

O autor apresenta neste livro as razões que levaram o governo a suspender os pagamentos dos juros da dívida externa. Discute também as inúmeras conseqüências, internas e externas, desta polêmica decisão.

Tendo participado das negociações da dívida externa nos primeiros dois anos da Nova república, Paulo Nogueira descreve como a estratégia convencional se revelou incapaz de solucionar o problema da dívida eterna, posto que baseada na renegociação apenas do principal e na expectativa ingênua de boa vontade dos credores e reabrir, voluntariamente, os mercados financeiros internacionais ao Brasil.

O autor relata como o fracasso da estratégia convencional e a intransigência dos credores externos conduziram o governo brasileiro a uma postura mais realista na adoção de uma moratória unilateral, como forma de manter o nível das reservas internacionais do país e, sobretudo, de mudar qualitativamente o processo de renegociação da dívida externa.

Share Button

Mito e realidade na dívida externa brasileira (1983, Paz e Terra)

Ao analisar criticamente os dados e informações oficiais, Paulo Nogueira Batista Jr. identifica os problemas centrais de dívida externa do país, indicando a vulnerabilidade de certas noções. O texto esclarece questões como a política cambial, a renegociação competente definitiva da dívida, o mercado internacional de crédito.

Share Button